sexta-feira, 21 de julho de 2017

SERVIDORES PÚBLICOS PREOCUPADOS - o saldo no Fundo de Previdência de Barra do Piraí era de R$ 125.258.352,37 no final de 2016.

Com a exoneração de toda equipe do Fundo dos Servidores Públicos da Prefeitura de Barra do Piraí pelo prefeito Mario Esteves, começam a surgir informações não oficiais sobre não estarem garantidos os pagamentos relativos ao mês de agosto dos servidores inativos.

Só que a Caixa Econômica Federal informou no dia 26 de setembro de 2016, que o saldo no Fundo dos Servidores Públicos de Barra do Piraí era de R$ 125.258.352,37 (cento e vinte e cinco milhões, duzentos e cinquenta e oito mil, trezentos e cinquenta e dois reais e trinta e sete centavos)

É importantíssimo que o governo municipal divulgue os valores de hoje.


Pela transparência!

INFORMAÇÕES DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Comandante da GMBP acusa ex-diretor de Ordem Pública de autorizar liberação irregular de motocicleta

A imagem enviada pelo comandante da Guarda Municipal de Barra do Piraí.
Se faz necessário ressaltar que parte da imagem está sendo propositadamente e parcialmente encoberta por uma folha de papel em branco.

Ontem (19/07/2017), exatamente às 23h26, recebi do Comandante da Guarda Municipal de Barra do Piraí, Enoch Sacchi de Mello, imagens e áudios que compõem uma grave denúncia envolvendo o ex-diretor de Ordem Pública, Antônio Carlos Elias, conhecido como Bitu, e o comerciante eventual, Hemerson Jefferson Mathias, o Herminho.

Segundo o comandante Mello, no dia 26 de maio deste ano, o ex-diretor de Ordem Pública Antônio Carlos Elias “Bitu”, autorizou ao comerciante eventual Hemerson Jefferson Mathias “Herminho”, a retirada do galpão da GMBP (Guarda Municipal de Barra do Piraí), de uma motocicleta Honda Bizz, que de acordo com suas próprias pesquisas realizadas ontem nos cadastros do Detran, ainda consta como veículo roubado e está em nome do ex-diretor de Ordem Pública.

Segundo o comandante Mello, o ex-diretor de Ordem Pública vendeu a motocicleta para Herminho, que desde a sua retirada do galpão da GM em maio deste ano, está - supostamente, friso meu - circulando sem placa para evitar a apreensão e o devido recolhimento.

OUVINDO AS PARTES

Em contato com o ex-diretor de Ordem Pública, Antônio Carlos Elias “Bitu”, pelo aplicativo whatsapp, chegou a seguinte resposta:

“A moto foi roubada sim, recuperada, periciada, mas, já saiu do sistema e está no meu nome (11h57)" - "Para retirar tem que ser o proprietário ou documento por ele assinado. Se tivesse algo incorreto a GM não poderia ter deixado a moto sair do depósito (12h16)".

Já o comerciante eventual Herminho não atendeu aos meus telefonemas.

PESQUISAS E FOTOGRAFIAS ENVIADAS PELO COMANDANTE DA GMBP





sexta-feira, 14 de julho de 2017

Globo no centro da confusão


Humala e a mala


O poder é efêmero


Vejam as premiações de Lula, que eu copiei do wikipedia.
Como se sente um Juiz de primeira instância, que vai para casa após condenar por corrupção e lavagem de dinheiro, alguém homenageado em todo mundo?
A enganação iniciou em 2005, dois anos após a sua posse e quando a CPI dos Correios abriu as portas para o processo do mensalão.
Na época, a mídia, a Polícia Federal, o Ministério Público e o Judiciário aceitaram um simples "não sabia de nada" como prova suficiente para livrá-lo do processo.





Flechadas do Janot


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Sócia da empresa contratada sem licitação pelo prefeito Mario Esteves é investigada desde 2013


Fernando Trabach é casado com Mônica Lima Barbosa, sócia da empresa  Líbano Serviços de Limpeza Urbana, Construção Civil – LTDA, que sem licitação fechou contrato por 6 meses com a Prefeitura de Barra do Piraí no valor de R$ 4.210.859,52 (quatro milhões duzentos e dez mil oitocentos e cinquenta e nove reais e cinquenta e dois centavos) para fazer coleta de lixo hospitalar.
Segundo a delegada Izabela Santoni, responsável pela investigação na matéria publicada pelo jornal EXTRA, em 2013, o casal usava fantasmas e laranjas com o objetivo de irrigar empresas com dinheiro proveniente de ilicitudes.



Abaixo as matérias publicadas pelo jornal EXTRA.


terça-feira, 13 de junho de 2017

Mario Esteves contrata sem licitação por R$ 4,2 milhões empresa para coletar lixo hospitalar por 6 meses

O prefeito de Barra do Piraí, Mário Esteves, contratou pelo valor de R$ 4.210.859,52, sem licitação e por período de 6 meses, a empresa Líbano Serviços de Limpeza Urbana, Construção Civil – LTDA para coletar lixo hospitalar.
A ausência de concorrência disposta no Artigo 24, inciso IV, da Lei Federal 8.666/93, deve-se a emergência alegada pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde para o setor.

Estranho também a paralisação das publicações no Portal da Transparência da Prefeitura de Barra do Piraí sobre os gastos do Fundo Municipal de Saúde relativos a Santa Casa e Cruz Vermelha Brasileira.

Abaixo a publicação oficial.

RATIFICAÇÃO
Tendo em vista o disposto no Artigo 24, inciso IV, da Lei Federal 8.666/93 e suas alterações em face às justificativas apresentadas;
RATIFICO: A contratação de empresa para a prestação de serviços de coleta de resíduos domiciliares provenientes de coleta especial da Secretaria de Saúde e Postos de Saúde com fornecimento de caminhão compactador, motorista, coletores e transporte do mesmo para o aterro licenciado localizado na Estrada Teixeira Leite, nº 4040, Cananeiras, Vassouras/RJ, valor estimado em R$ 4.210.859,52 (quatro milhões duzentos e dez mil oitocentos e cinquenta e nove reais e cinquenta e dois centavos), prazo: 180 (cento e oitenta) dias, empresa: Libano Serviços de Limpeza Urbana, Construção Civil – LTDA
Mário Reis Esteves - Prefeito Municipal


sexta-feira, 9 de junho de 2017

É preciso investigar as medições da Caixa nas obras do Vale do Ipiranga

Quando eu digo que não adianta tentar mudar o país sem mudar os municípios, tomo como base a pulverização de obras dos governo federal e estadual, que somadas alcançam bilhões e bilhões de reais.

No Vale do Ipiranga, nas obras do Jardim Ipiranga II e Condomínio Francisco Furtado, foram pagos R$ 18.326.009,07, conforme planilha fornecida pela Caixa Econômica Federal, numa consulta com base na Lei de Acesso a Informação.

Na resposta a Caixa não informou os nomes dos fiscais que atuaram na liberação dos pagamentos.

Além disso a Caixa informa que mantém vigilante no local para evitar depredações e que empresa está sendo contratada sem licitação para o encerramento das obras.

Vejam abaixo a consulta na íntegra.




PLANILHAS COM VALORES QUITADOS